Esta página utiliza cookies. Durante a navegação na nossa página, aceita que utilizemos cookies.

Saiba mais sobre cookies
Fechar
Fechar
Fechar
UM VERÃO A ALTA VELOCIDADE

UM VERÃO A ALTA VELOCIDADE

RALI DA POLÓNIA – 02 a 05/07/2015 (Antevisão)

  • Ao chegarem à Polónia, os DS 3 WRC vão mudar de ritmo. Em estradas muito mais rolantes que na Argentina, em Portugal ou em Itália, o WRC inicia um Verão a alta velocidade na Polónia, antes de viajar até à Finlândia.
  • Em Mikolajki, Mads Ostberg / Jonas Andersson e Kris Meeke / Paul nagle estarão ao volante dos dois DS 3 WRC inscritos.
  • A equipa Citroën Total Abu Dhabi World Rally Team ocupa o 2º lugar dos Construtores pouco antes do meio da temporada.
  • Antes de viajar para a Polónia, Kris Meeke esteve no Festival of Speed de Goodwood, com um DS 3 WRC.

Após a Argentina, Portugal e Itália, três eventos cuja reputação de extrema dureza foi mais uma vez confirmada este ano, a equipa Citroën Total Abu Dhabi World Rally Team chega à Polónia, para começar um Verão num outro ritmo.

Nas estradas em redor de Mikolajki, as médias estiveram próximas dos 120 km/h em 2014! O Rali da Polónia propõe um percurso único no calendário, com longas rectas. A performance é mais importante que nunca, ditada pelo empenho dos pilotos e pela qualidade das afinações dos WRC.

Para a equipa Citroën Total Abu Dhabi World Rally Team, o objectivo é, portanto, encontrar as soluções que dêem total confiança às equipas. Os DS 3 WRC são preparados para maximizar a absorção vertical a velocidades muito elevadas.

A alteração do itinerário não deverá significar mudanças no carácter da prova, com uma primeira passagem muito rolante e segundas rondas mais cuidadosas. A aerodinâmica será fixa, pois torna-se necessário trabalhar nas ligações ao solo, para ajudar os pilotos a serem performantes.

Num piso tão rápido, o trabalho dos pneus é igualmente muito diferente. A polivalência do pneu Michelin LTX Force S4, de borrachas mais macias, vai permitir aperfeiçoar a aderência nestas estradas. A evolução trazida para a segunda metade da temporada de 2014 já deu provas e deverá ser ainda particularmente competitiva na Polónia.

Segundos classificados no Campeonato do Mundo de Ralis, Mads Ostberg e Jonas Andersson são os únicos a terem marcado pontos em todas as provas desde o início do presente ano. Têm mesmo nove resultados consecutivos entre os primeiros, com o DS 3 WRC. Nesta sétima etapa, Kris Meeke e Paul Nagle poderão beneficiar das trajectórias mais soltas, durante os primeiros dois dias do rali.

Inscritos no Campeonato FIA WRC2, Stéphane Lefebvre e Stéphane Prévot estarão mais uma vez à partida ao volante de um DS 3 RRC. Esta prova, que foi ganha por Stéphane Lefebvre no ano passado no FIA Junior WRC, faz parte do programa de aprendizagem do jovem piloto francês. Continuará a sua temporada nesta categoria na Finlândia, antes do Rali da Alemanha, no mês de Agosto, que disputará com um DS 3 WRC.

O QUE ELES DISSERAM


Yves Matton (Director da Citroën Racing): «A equipa Citroën pode contar com a sua experiência no momento de abordar o Rali da Polónia. Mesmo se o percurso é 90% novo, temos controladas todas as especificidades do terreno. Será uma prova interessante desportivamente, em estradas rápidas, técnicas e selectivas. Os nossos pilotos apreciam estas especiais. O Mads mostrou a sua velocidade natural no ano passado e o Kris já começa a conhecer bem a região, depois da sua estreia em 2006. Preparámos esta etapa com a esperança de conquistarmos um bom resultado. Será primordial marcar muitos pontos na classificação dos Construtores para confirmar a nossa posição no Campeonato do Mundo.»

Mads Østberg: «O percurso é muito parecido com o do Rali da Finlândia. As velocidades são muito elevadas e podemos atacar sem nos preocuparmos com o desgaste dos pneus. Após vários ralis demolidores consecutivos, iremos poder rolar de uma maneira diferente. Guardo excelentes memórias das nossas últimas passagens pela Polónia, pois conseguimos ser sempre rápidos neste terreno. É preciso aproveitar ao máximo as condições e ser tão competitivos como na Sardenha para, uma vez mais, conseguirmos garantir um bom resultado. Iremos trabalhar nas afinações, apoiando-nos na nossa experiência, mas é difícil saber onde nos situaremos. É preciso começar com um bom ritmo e, se tudo correr bem, poderemos bater-nos por uma subida ao pódio.»

Kris Meeke: «Antes de partir para a Polónia, participei no Festival of Speed de Goodwood. É um encontro muito importante para todos os amantes dos desportos mecânicos e devo também dizer que é um evento à parte para todos os pilotos. Todas as disciplinas estão ali representadas, no num ambiente longe da competição pura. Fiquei muito feliz por ali ter feito uma demonstração com o DS 3 WRC. Depois disso, vou concentrar-me plenamente no Rali da Polónia. Após três provas demolidoras, sinto-me satisfeito por ir encontrar um percurso rápido. Mesmo se ele é 90% novo, o seu carácter não foi alterado e gosto muito deste estilo de especiais. Fomos competitivos nos ralis anteriores sobretudo com a vitória na Argentina e o DS 3 WRC é competitivo quando as velocidades são elevadas. Para um piloto, estas estradas exigem muito empenho e muita coragem. Gosto disso e espero que nos passamos bater por um lugar no pódio.»

Stéphane Lefebvre: «Participei nas duas anteriores edições do Rali da Polónia, com uma vitória no ano passado, no quadro do FIA Junior WRC. Aprecio este tipo de estradas muito rápidas, que vão afastar-nos dos recentes percursos muito demolidores. Na Sardenha, aprendemos bastante com o DS 3 RRC. Temos ainda que evoluir o nosso sistema de notas, mas temos um carro para ganhar. O objectivo é, portanto, assinar um bom resultado. Sinto-me também mais liberto para atacar. Tenho também em mente que é preciso estar preparado para o Rali da Alemanha, que irei fazer com um DS 3 WRC.»

NOVO PERCURSO, MAS O MESMO CARÁCTER

Dezanove provas especiais de classificação estão no programa da edição de 2015, em parte retiradas dos itinerários de 2009 e 2014. Para os mais assíduos, pouco terão de novidade. Mas somente 40 quilómetros são partilhados com o percurso do ano passado.

O itinerário foi traçado nas imediações dos Lagos de Mazúria. Após o Shakedown na manhã de quinta-feira, a cerimónia de partida será organizada no centro da cidade de Mikolajki, a partir das 16h00. Três horas mais tarde, a super-especial de Mikolajki determinará uma primeira hierarquia.

Na manhã de sexta-feira, as equipas partirão pela ordem da classificação do Campeonato do Mundo, para uma secção de quatro Especiais, Gorklo (13 km), Goldap (14,75 km), Babki (14,65 km) e Stanczyki (39,12 km), a mais longa do rali. Sem assistência a meio do dia, os pilotos e co-pilotos poderão trocar de pneus, antes de percorrerem uma segunda vez Babki, Stanzycki e Goldap, para acabarem no Mikolajki Arena. Entrada na assistência ao fim do dia, a partir das 19h35.

O parque fechado abrirá as suas portas no sábado de manhã, pelas 6h40, para as especiais traçadas um pouco mais a sul da cidade. Sempre pela ordem da classificação do Campeonato, os pilotos partirão para Mazury (8,25 km), Wieliczki (12,87 km), Swietajno (21,25 km), Paprotki (23,15 km) e uma Assistência de 30 minutos a partir das 13h38. Durante a tarde, as equipas voltam a passar por Mazury, Wieliczki e Swietajno, antes de uma última passagem pela Mikolajki Arena.

No domingo, os carros ainda em prova ficarão pelos arredores do parque-fechado. Pela ordem inversa da classificação do rali, duas passagens por Baranowo (14,60 km) constituirão esta derradeira Etapa. O último troço, utilizado como Power Stage, será difundido em directo pela televisão, a partir das 12h00 (GMT+2). A chegada terá lugar no centro da cidade de Mikolajki, a partir das 14h00.

Nota: Horas na Polónia, mais 2 horas do que em Portugal

Top