Esta página utiliza cookies. Durante a navegação na nossa página, aceita que utilizemos cookies.

Saiba mais sobre cookies
Fechar
Fechar
Fechar
Rali_Monte_Carlo_2015_Loeb

SÉBASTIEN LOEB NO ARRANQUE DA TEMPORADA DE 2015 NO RALI DE MONTE-CARLO

É o grande destaque desta primeira prova do Mundial 2015: Sébastien Loeb e Daniel Elena irão estar à partida do Rali de Monte-Carlo.

  • No âmbito de uma inscrição esporádica, a dupla que ostenta nove títulos de Campeã do Mundo poderá marcar pontos para o Citroën Total Abu Dhabi WRT, junto com Kris Meeke e Paul Nagle.
  •  Um terceiro DS 3 WRC é inscrito para Mads Østberg e Jonas Andersson, enquanto Stéphane Lefebvre, o actual detentor do título de Campeão do Mundo Junior WRC inicia a temporada num DS 3 R5, com Stéphane Prévot como navegador.
  •  Os DS 3 WRC estreiam uma nova decoração, que celebra os 60 anos da sigla DS.

Nova temporada, novas cores e o regresso de uma dupla mítica! No Rali de Monte-Carlo, Sébastien Loeb e Daniel Elena irão estar a bordo de um DS 3 WRC. Ostentando nove títulos mundiais e 78 vitórias – sete das quais alcançadas na jornada monegasca – marcam o evento com o Citroën Total Abu Dhabi World Rally Team.

No arranque da presente temporada, os três DS 3 WRCinscritos beneficiam de vários desenvolvimentos ao nível do motor, suspensão, aerodinâmica, caixa de velocidades, etc. «O DS 3 WRC é um carro bem conseguido e temos trabalhado para o tornar ainda mais competitivo,» explica Xavier Mestelan-Pinon, Director Técnico da Citroën Racing. «Concentrámos os nossos esforços no motor para que ofereça mais potência e binário, proporcionando maior fiabilidade. Tirando partido das alterações regulamentares, reintroduzimos as patilhas no volante para as passagens de caixa. Outros progressos notáveis recaíram na aerodinâmica, com um novo aileron e uma nova secção frontal que irá aparecer em breve, bem como na repartição dos pesos através de um trabalho de redução do mesmo. Por fim, modificámos a cinemática da suspensão traseira. Um trabalho que irá continuar, sendo que nos próximos meses apresentaremos outra evolução aerodinâmica.»

Também o regulamento desportivo sofreu alterações para 2015. Para cada uma das provas, nas etapas de 6ª Feira e Sábado, as duplas de pilotos partem pela ordem da sua classificação no campeonato, sendo que no último dia irá prevalecer a ordem inversa da classificação à altura no rali (para os pilotos P1 e P2). Para os que correrem em Rally2 (regresso à prova após abandono na véspera) a penalização aumenta de 5 para 7 minutos por cada classificativa não disputada e irão abrir a estrada na etapa seguinte. Outro ponto importante em destaque é que passa a ser proibido transmitir informações e tempos intermédios às equipas durante as especiais.

UM ENCONTRO IMPORTANTE PARA A CITROËN RACING

O Rali de Monte-Carlo abre esta nova temporada do Campeonato do Mundo de Ralis. Jornada mítica – muito para lá do microcosmos dos desportos motorizados – a prova monegasca é um encontro à parte no WRC.

Primeiro com os DS nas décadas de 1950 e 1960, depois os Xsara, C4 e DS 3 ao longo dos últimos anos, a Citroën Racing é uma das equipas mais presentes no palmarés da prova. Quanto a Sébastien Loeb e Daniel Elena, eles detêm o recorde em número de vitórias, com sete sucessos obtidos entre 2003 e 2013! Terceiro classificado do Campeonato do Mundo de Carros de Turismo (WTCC) em 2014, Sébastien Loeb regressa ao WRC depois de mais de um ano de ausência. Sempre acompanhado por Daniel Elena, o piloto da Alsácia não hesitou por um instante quando Yves Matton lhe propôs retomar o volante do DS 3 WRC.

A dupla mais famosa da história da disciplina foi inscrita para marcar pontos para a formação Citroën Total Abu Dhabi World Rally Team, em conjunto com Kris Meeke e Paul Nagle. O piloto irlandês irá estar à partida do seu sétimo Monte-Carlo, mas apenas o segundo na categoria WRC, um défice de experiência que não o impediu de conquistar um pódio em 2014 com o DS 3 WRC!

Inscritos em todas as jornadas do calendário 2015, Mads Østberg e Jonas Andersson irão estar a bordo de um terceiro DS 3 WRC entre Gap e o Mónaco. O piloto norueguês apenas conta com duas presenças na prova, tendo sido 6º em 2013 e 4º em 2014, logo atrás do seu companheiro de equipa!

Vencedores da iniciativa Citroën Top Driver e animadores do Campeonato FIA WRC2 no ano passado, ao volante de um DS 3 R5, Sébastien Chardonnet e Thibault de la Haye estarão à partida desta primeira prova do ano com um DS 3 WRC privado.

Inscrito no Campeonato FIA WRC2, Stéphane Lefebvre, vencedor do FIA WRC Junior 2014, ver-se-á acompanhado por Stéphane Prévot, e surge num DS 3 R5. Serão tês os DS 3 R5 inscritos nesta categoria.

O QUE ELES DISSERAM…

Yves Matton (Director da Citroën Racing): «O Monte-Carlo é um rali muito importante para a Citroën Racing. O contexto deste início da temporada, com o regresso esporádico de Sébastien Loeb e Daniel Elena, torna-o ainda mais especial! Sabemos que eles estarão sob um rígido escrutínio e que apenas a sua presença deu ao evento toda uma outra importância. Para toda a equipa, esta primeira prova é ansiosamente aguardada, permitindo-nos ver os resultados de vários meses de trabalho. Os DS 3 WRC evoluíram com o objetivo de ganhar em performance. Os nossos concorrentes também terão evoluído, pelo que importa conseguirmos manter a nossa competitividade. A nossa ambição passa por mantermo-nos entre os melhores e os esforços da equipa, a sua experiência, o regresso de Sébastien Loeb e as evoluções de Kris Meeke e Mads Østberg são os nossos trunfos.»

Sébastien Loeb: «Quando a Citroën Racing me propôs participar neste rali, não hesitei por muito tempo! O Monte-Carlo disputa-se em estradas francesas e adoro toda a atmosfera e a proximidade com os nossos adeptos. Estou, por isso, muito feliz por reencontrar essas sensações ao volante do DS 3 WRC! Quis ganhar o ritmo logo desde o primeiro dia de testes, algo que rapidamente aconteceu! O estilo de condução é muito diferente do que tenho tido com o C-Elysée WTCC. Com tracção às quatro rodas e em estradas normais há muito mais tempo para improvisar. Os testes foram benéficos, mas é sempre difícil preparar um Rali de Monte-Carlo, já que não podemos prever as condições de tempo que teremos em determinado dia. Tenho como objectivo ser competitivo, mas temos que ter em mente que estive fora durante um ano. Sempre que estou à partida de uma prova dou o melhor de mim. Será, agora, o caso, e se pudermos lutar pela vitória, tanto melhor!»

Kris Meeke: «Sinto-me orgulhoso por iniciar um novo ano com o Citroën Total Abu Dhabi World Rally Team. Em 2014 tive de descobrir uma grande parte dos ralis no calendário. Aprendi muito e tomei consciência do quão importante era acumular quilómetros. Todos os pilotos fazem progressos durante a sua segunda temporada completa, sendo que espero não fugir à regra. Por outro lado, acho que o trabalho realizado sobre o DS 3 WRC permitirá que sejamos ainda mais eficientes. No que se refere ao Monte-Carlo, a Citroën Racing tem ali obtido sempre grandes resultados e detém uma sólida experiência da prova e mesmo sendo impossível prever o que irá acontecer neste rali, poder contar com uma equipa com tão grande experiência é, decerto, uma mais-valia. O meu objetivo será lutar pelos primeiros lugares.»

Mads Østberg: «Terminei a temporada de 2014 com um bom feeling e poder continuar com o Citroën Total Abu Dhabi World Rally Team é muito positivo. Aprendi muito no ano passado com um carro novo e uma nova equipa e, embora seja sempre difícil estabelecer metas no início do ano, quero continuar a evoluir. Vou-me preocupar em levar uma prova de cada vez, esperando que essa estratégia dê frutos. O Monte-Carlo é, potencialmente, o rali mais complicado do ano, pois dependendo das condições atmosféricas, poderá disputar-se em asfalto seco ou molhado, sobre placas de verglas, gelo puro e neve... às vezes com os mesmos pneus! É um verdadeiro desafio! Para se ser bem sucedido em Monte-Carlo há que ter bons pneus, boas notas, bons batedores e a equipa certa!»

Stéphane Lefebvre: «É um desafio completamente novo para mim. Ao volante de um carro de quatro rodas motrizes tudo se passa mais rápido. Durante o defeso comecei a trabalhar na adaptação das minhas notas a esse novo ritmo com o Stéphane Prévot. O meu final da temporada de 2014, com duas provas já ao volante do DS 3 R5, permitiu-me ganhar tempo na aprendizagem, pelo que estou pronto para o Monte-Carlo. Já o disputei uma vez, mas num percurso diferente. Penso estar perfeitamente integrado na Citroën Racing e na equipa PH Sport, com o Stéphane Prévot ao meu lado e o Alexandre Bengué como batedor. Cabe-me saber servir-me de todos esses activos para ser competitivo.»

MÓNACO/GAP/MÓNACO COM PASSAGEM PELO COL DE TURINI
*horas em Portugal Continental

O shakedown está agendado para esta tarde, entre as 15h00 e as 19h00 em Chateauvieux, seis quilómetros a sul de Gap.

No dia seguinte, a partida está agendada para o Place du Casino de Monaco às 17h30 para uma primeira etapa que levará os concorrentes até Gap. Integra duas especiais nocturnas (Entrevaux-Rouaine e Norante-Dignes les Bains), esperando-se a entrada da primeira viatura no Parque de Assistência às 22h26.

O dia de 6ª Feira começará às 08h10 para duas rondas inéditas por três especiais (La Salle en Beaumont-Corps, Aspers les Corps-Chauffayer e Les Costes-St Julien en Champsaur) separadas por uma assistência em Gap, pelas 11h37. O regresso ao Parque Fechado far-se-á às 17h02.

No Sábado, as equipas partem de Gap rumo ao Mónaco, passando por quatro especiais mais clássicas no programa: duas passagens por Prunières-Embrun, os 51,70 km de Lardier e Valenca–Faye e os 36,85 km do famoso Sisteron-Thoard.

Finalmente, no Domingo disputar-se-á uma única ronda, num dia que tem início com o troço de Col St Jean-St Laurent antes de se cumprir a variante longa do Col de Turini, no coração dos 31,66 km do troço de La Bollène Vésubie-Sospel. A partir das 11h08 faz-se a segunda passagem pelo Col St Jean-St Laurent, que servirá de Power Stage. As equipas saem da última assistência para o pódio final às 12h49.

Nota importante: ao contrário dos anos anteriores, o Rali de Monte-Carlo autoriza a aplicação da regra ‘Rally2’ mas apenas para os dois primeiros dias. Em caso de abandono no Sábado, as equipas já não poderão arrancar para a etapa de Domingo.

Top